quarta-feira, 13 de maio de 2015

Boas vindas!

Amigos,

Obrigada por acessarem o blog " Sobre Epidemiologia...".


Esse espaço foi criado com a intenção de ampliar as informações dos que se interessam pela epidemiologia e por que não dizer, pela promoção da saúde e prevenção das doenças.

Suas sugestões e opiniões serão muito úteis.

Esperamos contribuir e receber sua colaboração na idealização de um sonho de ver o mundo sustentável.

Seja nosso seguidor!

Você lembra os tipos de estudos epidemiológicos?

Estudos Epidemiológicos

Os tipos de estudo podem ser:
  • Qualitativos: utiliza conceitos, comportamentos, percepções, informações das pessoas (coleta de dados: observações, entrevistas e leituras);refere-se a estudos profundos, subjetivos;usados em larga escala nas ciências sociais.
  • Quantitativos: são objetivos na busca para explicação dos fenômenos, ênfase numérica;maior aplicação na área da saúde. 

De uma maneira geral, podemos identificar três delineamentos do método epidemiológico:
• epidemiologia descritiva;
• epidemiologia analítica;
• epidemiologia experimental

Os delineamentos dos estudos epidemiológicos descritivos abrangem: 
• estudos ecológicos ou de correlação; 
• relatos de casos ou de série de casos; 
• estudos seccionais ou de corte transversal.

Os estudos analíticos constituem alternativas do método epidemiológico para testar hipóteses elaboradas geralmente durante estudos descritivos. Temos fundamentalmente dois tipos de estudos analíticos
• coortes; 
• caso-controle

A epidemiologia experimental abrange os chamados estudos de intervenção, que apresentam como característica principal o fato de o pesquisador controlar as condições do experimento.

Tipos de estudos epidemiológicos - Quadro esquemático





Fonte: http://portalses.saude.sc.gov.br/arquivos/sala_de_leitura/saude_e_cidadania/ed_07/pdf/09_03.pdf
            http://pt.wikipedia.org/wiki/Tipos_de_estudo_epidemiol%C3%B3gico


sexta-feira, 8 de maio de 2015

Vírus Zika - O que é?

Vírus Zika [Zika virus - (ZIKV)]: é uma espécie de vírus da família Flaviviridae e do gênero Flavivirus. Em humanos, ele causa a doença conhecida como febre Zika. É relacionado a dengue, febre amarela, encefalite do Oeste do Nilo e Encefalite japonesa, vírus que também fazem parte da família Flaviviridae.
Epidemiologia: o primeiro surto da doença fora da África e Ásia foi em abril de 2007, na ilha de Yap nos Estados Federados da Micronésia. O vírus se caracterizou pelas erupções cutâneas, conjuntivite, e artralgia, e inicialmente se pensou que era dengue. Os vírus Chikungunya e do rio Ross também foram tomados como suspeitos. Porém, amostras de soro dos pacientes na fase aguda da doença continham RNA do vírus Zika. O processo infeccioso da febre Zika foi relativamente leve: houveram 49 casos confirmados, 59 não confirmados, nenhuma morte ou hospitalização.
Um surto recente do vírus Zika fora da África e da Ásia foi confirmada em abril de 2015, no Brasil. Na cidade de Salvador, capital do estado da Bahia, as autoridades de saúde confirmaram que uma doença até então desconhecida que afeta cerca de 500 pacientes com sintomas semelhantes aos da gripe, seguido de exantema e artralgia é realmente um surto em curso da febre Zika, como provado pela técnica de RT-PCR por pesquisadores da Universidade Federal da Bahia. As autoridades locais ligaram o surto recente ao aumento do fluxo de visitantes estrangeiros motivados pela Copa do Mundo FIFA de 2014, juntamente com a grande população de insetos vetores Aedes aegypti e Aedes albopictus que habitam a região. O surto segue um padrão semelhante ao também recente surto do vírus Chikungunya na mesma região, outra doença até então desconhecida à população local.
O vírus Zika pode ser considerado um patógeno emergente, visto que se espalhou para fora da África e Ásia pela primeira vez em 2007. Até o momento, foi uma doença relativamente leve com alcance limitado, mas seu verdadeiro potencial como vírus e agente infeccioso é atualmente desconhecido.
Clínica: sintomas comuns da infecção costumam incluir dores de cabeça leves, exantema maculopapular, febre, mal estar, conjuntivite, e artralgia. O primeiro caso bem documentado do vírus Zika foi em 1964, começando com uma leve dor de cabeça que progrediu para um exantema maculopapular, febre e dor nas costas. Com dois dias, a erupção começou a desaparecer, e com 3 dias, a febre desapareceu com apenas a erupção permanecendo. Não há qualquer vacina ou droga preventiva contra o vírus Zika, e apenas o tratamento sintomático é possível. Usualmente antiinflamatórios não-esteróides e/ou analgésicos não-salicílicos são utilizados.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/V%C3%ADrus_Zika

O Quadro abaixo mostra as diferenças clínicas entre a Dengue, Chikungunya e Febre Zika:
Fonte: Virus Zika Polynésie _ 2013 - 2014 Ile de Yap, Micronésie _ 2007 (janvier 2014). 
Vale a pena ler esse artigo!